quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Memórias de uma Gueixa - Arthur Golden - Ed. Imago

Memórias de uma Gueixa é um livro bem complexo. A leitura não é fluida, porque o livro acaba sendo mais um documentário escrito do que uma história de ficção. Li cada página cuidadosamente, com muita atenção, e por isso mesmo demorei bastante pra terminar esta leitura.

O livro disseca a vida das gueixas do Japão, cada detalhe, toda a rotina, todos os perrengues que elas passam e como a vida delas se resume a servir e a aceitar seu destino resignadamente. 


Paralelamente, há uma história de amor platônico entre a protagonista e um homem anos mais velho, que ela leva consigo durante toda a sua vida. Li todo o livro com a expectativa de que eles ficassem juntos, porque você vai se apaixonando pela inocência e pela resignação de Sayuri, que chama a atenção por ter nascido com olhos azuis, mesmo sendo japonesa. Com tanto sofrimento e tantas provações, esse amor que ela nutre pelo "presidente" acaba sendo, muitas vezes, o motivo pela qual ela levanta todos os dias para seguir em frente. 

Sobre o Autor

Arthur Golden (Chattanooga, Tennessee, 1956) é um escritor norte-americano e autor do bestseller Memórias de uma Gueixa, livro que foi adaptado ao cinema em 2005 com interpretações de Ziyi Zhang e Ken Watanabe e dirigido por Rob Marshall.

Arthur Golden formou-se em Harvard em 1978 em História de Arte, especializando-se em arte japonesa. Em 1980 fez um mestrado em Artes dedicado à história japonesa, na Universidade de Columbia, onde também aprendeu mandarim. Depois de um Verão na Universidade de Pequim, foi trabalhar para uma revista em Tóquio. Em 1988 fez um M.A. sobre Inglês na Universidade de Boston.

Viveu e trabalhou no Japão, e desde essa época tem ensinado escrita criativa e literatura na área de Boston. Vive em Brookline, Massachusetts, com a mulher e os filhos. 


Fonte: Skoob

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Balanço de Leituras - 2018


Já estamos na segunda semana do ano e está mais do que na hora de fazer aquele balanço das leituras realizadas no ano passado, que já virou tradição. Até o meio do ano eu estava indo bem nos livros, mas em agosto tudo mudou e minha vida deu um baita looping (positivo, eba!!). Aí, sobrou coisa pra fazer e faltou tempo pra ler. Snif. Acabei o ano com míseras 23 leituras, mas, mesmo assim, vale o registro.

Como sempre, as obras que já têm resenhas publicadas estarão com link no título. As demais, terão resenhas logo menos.

Bora lá:

1 - A Irmã - ótimo
2 - Com um pé na Sepultura - bom
3 - A Caminho da Sepultura - bom
4 - O Cavaleiro de Bronze - sensacional
5 - O Portão Dourado - sensacional
6 - Tatiana & Alexander - sensacional
7 - Amor sem Limites - péssimo
8 - Rush sem Limites - ruim
9 - Memórias de uma Gueixa - bom
10 - A Garota no Trem - muito bom
11 - Única Filha - muito bom
12 - Um Mais Um - bom
13 - Um dia de cada vez - muito bom
14 - Apenas um Ano - muito bom
15 - Dormindo com o Bilionário - ruim
16 - Fingindo - bom
17 - Casagrande e seus Demônios - muito bom
18 - Fome - bom
19 - A Garota do Lago - sensacional
20 - As Gêmeas do Gelo - muito bom
21 - Quando eu Parti - muito bom
22 - Tensão - regular
23 - Os 90 dias de Geniève - regular

E você, já leu algum desses? Quantos livros você quer ler em 2019? Me conta!

sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

Você conhece a livraria mais bonita do mundo?


Feliz 2019, gentê!!! Diminuí bem as postagens no segundo semestre do ano passado, mas foi por um bom motivo: falta de tempo, excesso de trabalho, escassez de horas nos meus dias! E acho isso ótimo, porque ociosidade demais não é nada legal pra mente, nénão?

Ano passado foi um ano em que fiquei 9 meses sem ver uma das amigas mais incríveis que tenho na vida. Ela passou, com a sua família, uma temporada de 9 longos meses na Europa. Mas (ufa!) ela já voltou e trouxe com ela mil experiências maravilhosas e um folheto da livraria mais bonita do mundo: a Lello. Nem preciso dizer que fiquei louca quando ela me deu o folheto, que conta toda a história da livraria. 


E, realmente, a bichinha é linda!!! Ela fica em Porto - Portugal - e tem nada menos do que 114 anos! A Lello é parada obrigatória para os turistas que visitam a cidade, afinal, além de ser deslumbrante, ela serviu de inspiração para os livros de Harry Potter! A livraria tem estilo neogótico e foi projetada para ser um templo das artes.

Eu, que tenho 3 dos meus 4 avós portugueses, já era louca pra conhecer Portugal. Agora, emtão, a vontade deu uma multiplicada básica.

Confira aqui algumas fotos da livraria. Destaque para a escadaria vermelha maravilinda.

terça-feira, 2 de outubro de 2018

Perdendo-me - Cora Carmack - Ed. Novo Conceito


As características da personagem principal são meio utópicas e surreais, mas fora (tudo) isso, o livro até que é bem viciante. Bliss Edwards vai se formar na faculdade, tem um melhor amigo que é apaixonado por ela, é bonita, atraente e ainda é virgem. Oi?

Ela conhece um cara lindo e super carismático em um bar, os dois sentem-se mega atraídos um pelo outro, mas ela tem um ataque de pânico na hora H e foge dele, dando uma desculpa mega esfarrapada. No dia seguinte, quando ela chega para o primeiro dia de aula, quem entra na sala para se apresentar como o novo professor? O próprio!

No começo, talvez por essas características meio dãããã da protagonista, a leitura estava meio devagar. Porém, como vocês sabem, eu nunca desisto de um livro. Ainda bem! Porque do meio pra frente eu já estava viciada e não conseguia mais parar de ler. Garrick e Bliss ão um casal cativante. E Cade, o melhor amigo apaixonado, é um querido!

Sobre a Autora

Cora Carmack é uma escritora de vinte e poucos anos que adora escrever sobre personagens de vinte e poucos anos. Ela já fez de tudo um pouco: teatro, vendas, aulas. Adora ir ao teatro, viajar e qualquer coisa que a faça rir muito. Seus personagens circulam pelos ambientes e situações mais improváveis, e Cora sempre os ajuda a arranjar um namorado ou namorada no final. As pessoas improváveis também precisam namorar, não é? Seu primeiro livro, Perdendo-me, figurou nas listas de mais vendidos do The New York Times e do USA Today.

Fonte: Skoob

terça-feira, 4 de setembro de 2018

Quando eu Parti - Gayle Forman - Ed. Galera Record



Esse livro mexeu muito comigo, talvez por eu ser mãe de dois, sempre tão atarefada e tentando dar conta de tudo, como Maribeth. Não que eu pareça muito com ela, porque sou bem feliz e não estou cheia de incertezas e frustrações como ela está, e talvez por isso mesmo o livro tenha me tocado tanto. Vou explicar.

Maribeth pensa em tudo: no emprego, no marido, nos gêmeos. Ela mesmo acaba vindo sempre por último. Se você é mãe, isso lhe soa familiar? Cof, cof.

Exatamente por isso nem percebe quando sofre um infarto. Esse infarto mexe muito com o emocional dele, e Maribeth acaba tomando um atitude inesperada e drástica: vai embora de casa, largando tudo.

Agora, PAREM um minuto e imaginem eu, mãe de dois, louca pela minha família mas igualmente exausta algumas vezes, lendo isso. Não sabia se eu queria dar um abraço solidário nela ou encher a cara dela de tapa. 


Eu não sei sinceramente como ela conseguiu suportar a saudade dos filhos e a preocupação com o bem estar deles. Mas, acompanhar a redescoberta dela mesma e esse tempo para ela respirar e levar uma "vida egoísta" novamente foi muito rico.

Resumindo,  eu AMEI esse livro exatamente por essa enxurrada de sentimentos contraditórios que ele causou em mim. Recomendo!


Sobre a Autora

Gayle Forman começou sua carreira escrevendo para a revista Seventeen em que a maioria de seus artigos, centrada nos jovens e preocupações sociais. Mais tarde ela se tornou uma jornalista freelance para publicações como a revista Details, Jane Magazine, Glamour Magazine, The Nation, Elle Magazine e Cosmopolitan Magazine.

Em 2002, ela e seu marido Nick fizeram uma viagem ao redor do mundo. De suas viagens, ela acumulou uma riqueza de experiências e de informações que mais tarde serviu como base para seu primeiro livro, um diário de viagem que você não pode começar lá a partir daqui: um ano na margem de uma Shrinking World. Em 2007 ela publicou seu primeiro romance para jovens adultos, intitulado de Sisters In Sanity onde ela se baseia em um artigo que tinha escrito para a revista Seventeen. Seu mais recente romance If I Stay (Se eu ficar), fez Forman levar vários prêmios, entre eles o Indie Choice Award de 2010.


Fonte: Skoob

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Tensão - Gail McHugh - Ed. Arqueiro


Géntchy!!! Que livro viciante!!! E essa capa? Uau!!!

Emily e Dillon são namorados que moram em cidades diferentes. Depois que a mãe de Emily morre, Dillon a convence a se mudar para mais perto dele. Instalada em NY, ela consegue um emprego como garçonete e logo em seu primeiro dia conhece por acaso o milionário Gavin Blake, que depois ela vem a saber que é amigo de seu namorado. 


Só que rola uma conexão forte e uma super química entre os dois, mesmo antes de saber que Dillon era amiga de Gavin. E, no caso, essa conexão não diminui depois que eles ficam sabendo disso.

Rola toda uma tensão em relação á traição, lealdade, respeito, amor e amizade.....e assim a história vai se desenrolando.

Essa história super me prendeu, o que fez eu ter a certeza de que vou seguir com Pulsação assim que possível. Uhuuuu!!!

Sobre a Autora
Gail McHugh estreou na literatura com Tensão, que, junto com sua continuação, Pulsação, figurou na lista de mais vendidos do The New York Times. Chocólatra assumida, ela é casada há mais de quinze anos e tem três filhos.

Fonte: Skoob

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Casagrande e Seus Demônios - Walter Casagrande - Ed. Globo Livros

Sinceridade. Para mim, essa é a palavra que mais resume essa biografia. Ela desnuda fatos, sentimentos e pensamentos do ídolo corintiano Casagrande, ex craque de futebol, comentarista aclamado da Rede Globo e dependente químico.

Eu torço para o Santos mas, mesmo assim, achei o livro muito bom. Para quem torce pelo Corinthians, é um prato cheio. Ele fala de várias passagens importantes do clube, incluindo a mais emblemática: a democracia corintiana.

Fora isso, tem toda a questão da dependência química, tudo o que ele passou e o quanto é difícil entender e aceitar que se é um dependente químico, e que essa doença não tem cura.

Outro assunto que é muito abordado no livro é música. Para quem gosta do tema, o livro traz muitas passagens bacanas, principalmente sobre rock, estilo musical preferido de Casão.

Há várias páginas com fotos de vários momentos do jogador. Dá pra viajar no tempo.

Super recomendo a leitura! Nua, crua, sincera, visceral. Assim como seu autor.

Sobre o Autor

Walter Casagrande Júnior é um ex-futebolista brasileiro que atuava como atacante. Atualmente, trabalha como comentarista de futebol em jogos de transmissão ao vivo pela Rede Globo.


Fonte: Google

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Bienal do Livro 2018



E lá fui eu para mais uma Bienal do Livro! Em 2016 não deu pra ir porque eu estava recém-parida, com meu segundinho muito pequenininho para ficar horas longe da mamãe. Mas, este ano, eu estava a postos para entrar no paraíso. hahahahah. Sim, porque estar num lugar lotado de livros, para mim, é tipo um paraíso, mesmo.

Mais uma vez, como escrevi no meu balanço da Bienal de 2014, a feira estava lotada de adolescentes e crianças! Muitas excursões escolares e muitos grupos de jovens com sacolas cheias. Muito bom ver isso! Dessa vez, vi muito mais crianças do que adolescentes. E adorei! Incentivo à leitura e à cultura tem que existir desde bem cedo. Quanto antes, melhor!


Fui em uma quarta-feira à tarde, logo depois do almoço. Os ônibus que levavam os visitantes da estação do metrô até o Anhembi eram super organizados e vinham a todo minuto. Esperei só uns 10 minutinhos na ida e uns 2 minutinhos na volta. Super recomendo utilizar este serviço!


Na Bienal, achei bem lotado (apesar de a imprensa ter divulgado que a feira esperava 700 mil visitantes e recebeu pouco menos que isso)  e os estandes mais legais tinham filas no caixa para pagar. Como eu estava com pouco tempo, isso me atrapalhou e acabei nem comprando livros para mim justamente porque não queria perder tempo em filas.


Os preços estavam bons em alguns estantes, com livros ótimos por R$10,00, mas em outros os títulos estavam bem mais caros do que conseguimos encontrar em livrarias virtuais.


A boa pedida foram os livros infantis. Ótimos títulos por R$5,00 e R$10,00. Trouxe 3 pra casa: Folclore Brasileiro, Corpo Humano e Espaço Sideral. :)


Fora isso, a beleza de alguns estandes foi um show à parte. O túnel de livros da Intrínseca tinha até fila para tirar fotos, assim como o trono de ferro do estande da Editora Leya.


E vocês, o que acharam? Me conta nos comentários!


terça-feira, 7 de agosto de 2018

Fome - Michael Grant - Ed. Galera Record


Esse é o segundo livro da série Gone, uma série voltada para adolescentes que tem uma proposta super original e bem bacana. A série traz várias reflexões sobre o que realmente importa, consumo consciente e outras questões, incluindo autismo, anorexia e bulimia. Achei o segundo volume bem legal, começando já com todo o mistério envolvendo Pete, que talvez seja o personagem mais misterioso e complexo da trama.

Até o meio do livro, a leitura estava rolando meio arrastada, mas depois da página 350 a história voltou a ter ritmo e acabamos entendendo, enfim, o que realmente é a Escuridão.

O final do livro é cheio de ação e deu uma curiosidade boa de saber o que vai rolar no Mentiras, que no caso já está aqui comigo, na minha estante, só esperando a hora H.

A série conta com os seguintes livros:
- Gone
- Fome

- Mentiras
- Praga
- Medo

Sobre o Autor


 Michael Grant é o co-autor das séries Animorphs e Everworld, como também criador e autor das séries Gone e The Magnificent 12. Michael cresceu numa família militar, frequentando dez escolas em cinco estados e três escolas na França. Quando adulto, se tornou um escritor em parte porque "era um dos poucos trabalhos que não iria prendê-lo a um lugar específico". Ele vive em Irvine, na Califórnia, com sua esposa, Katherine Applegate, seus dois filhos, e muitos animais de estimação.

Fonte: Skoob

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Gone - Michael Grant - Ed. Galera Record


O livro Gone é o primeiro da série Gone (me dá raivinha essas séries que tem o nome do primeiro livro hahaha - falta de criatividade pouca é bobagem). É um livro voltado para adolescente, bem teen, mas que traz ensinamentos e questões importantes para qualquer ser humano. A história é super original, e foi isso o que me fez ter vontade de ler a série.

Os acontecimentos são muito bem construídos e apresentados de maneira envolvente. Quando você percebe, já está viciado. Em um belo dia, todas as pessoas com mais de 14 anos simplesmente desaparecem. Quem fica, tem 14 anos pra baixo. São bebês, crianças na primeira infância, pré-adolescentes e adolescentes vivendo, de um segundo para o outro, sem energia elétrica, sem supervisão e com quantidade limitada de todos os bens perecíveis. Obviamente, ninguém entende nada e o local vira um caos completo.

Esse sumiço aparentemente aconteceu em um determinado raio, que está envolvido por uma grande bolha que separa o local "proibido para adultos" do resto do mundo. Então, eles não sabem se seus pais foram jogados para folha da bolha, se eles morreram, se ele foram abduzidos... no meio disso tudo, algumas dessas crianças começam a desenvolver poderes especiais, um diferente do outro. Aí formam-se duas facções: a que quer dizimar essas "aberrações" e a que quer união e paz para vencer cada desafio imposto por essa situação inusitada. Além desses dois lados, há ainda o bem e o mal, pois alguns desses adolescentes são bem cruéis e querem o poder do local, chamado de LGAR. Eles formaram o grupinho dos bad boys para atacar os mocinhos da história.

Quando acabei de ler Gone, já comecei Fome na sequência, de tão curiosa que eu estava. Estou louca para saber onde foram parar os pais dessas crianças.

A série conta com os seguintes livros:
- Gone
- Fome

- Mentiras
- Praga
- Medo

Sobre o Autor


 Michael Grant é o co-autor das séries Animorphs e Everworld, como também criador e autor das séries Gone e The Magnificent 12. Michael cresceu numa família militar, frequentando dez escolas em cinco estados e três escolas na França. Quando adulto, se tornou um escritor em parte porque "era um dos poucos trabalhos que não iria prendê-lo a um lugar específico". Ele vive em Irvine, na Califórnia, com sua esposa, Katherine Applegate, seus dois filhos, e muitos animais de estimação.

Fonte: Skoob